Publicidade


Mossoró perde 4,3 milhões de royalties nos três primeiros meses de 2015

A crise do petróleo tem provocado consequências negativas na economia de todos os municípios brasileiros, sobretudo os produtores. Tudo isso está sendo ocasionado pela queda no preço do barril de petróleo que despencou e hoje é vendido pela metade do preço, fazendo o repasse dos royalties cair na mesma proporção.
Mossoró, que está entre os maiores produtores de petróleo do RN, vem sofrendo as consequências disso. A gestão município tenta equilibrar as contas para amenizar os efeitos desse momento de retenções. Mas a matemática não está fácil.
Este cenário tem provocado uma perda de mais de R$ 4 milhões somente no primeiro trimestre de 2015. Com a diminuição da arrecadação, a capacidade de investimento do Executivo também é reduzida.
O valor do barril é um dos componentes no cálculo dos royalties. De acordo com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o barril, que já chegou a ser vendido por UU$ 100,00, está valendo quase a metade do preço, comercializado por UU$ 55,00 no fim do ano passado.
Os royalties são uma compensação financeira gerada pela produção de petróleo e gás natural no território brasileiro. O dinheiro incide sobre o valor da produção do campo de produção e é recolhido mensalmente. A arrecadação é dividida ente a União, Estados e Municípios.
No caso de Mossoró, a queda de arrecadação vem sendo uma constante. Só para ter uma ideia, em 2013, o Município arrecadou mais de R$ 47 milhões em royalties. A projeção para 2015, é que essa receita não ultrapasse R$ 28 milhões.
“A arrecadação por royalties está caindo a cada mês e isso impacta diretamente os investimentos de infraestrutura do Município. É com o dinheiro dos royalties, chamada de Fonte 102, que o Município banca as reformas, construções, indenizações, operação tapa-buraco, calçamento, entre outros”, explicou o secretário Municipal da Fazenda, Jerônimo Rosado de Souza.
Ele explica que para equilibrar as contas, o Município está tendo que recorrer a Fonte 100, que corresponde aos recursos próprios do Município. “Estamos sendo obrigados a usar os recursos da arrecadação nas ações de infraestrutura que eram pagos pela fonte 102, para não deixar as obras paradas”, destacou Jerônimo.
O secretário destaca que o problema de recorrer à Fonte 100 para as ações e infraestrutura é que isso limita o custeio da máquina administrativa.
“A Fonte 100 é usada para pagamento da folha e custeio da máquina pública. Antes a gente utilizava apenas 40% desse recurso para infraestrutura. Agora, esse percentual aumentou e, mesmo assim, o Município  fica limitado para investir nessa área”, falou Jerônimo.

AUDIÊNCIA 
No dia 8 de abril, o prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior, reuniu-se com a senadora Fátima Bezerra (PT), a fim de que a parlamentar intervenha o agendamento de uma audiência com a direção da Petrobras. A intenção é debater a situação da estatal na segunda maior cidade potiguar.
A data da reunião ainda não foi definida, mas o prefeito espera que isso aconteça logo. “A situação pode comprometer a manutenção de serviços essenciais, por isso estamos adotando medidas preventivas que garantam a manutenção desses e de outros serviços ofertados à população”, disse o prefeito.