Publicidade


Com realização da WorldSkills 2015 no Brasil, ensino técnico se torna estratégico para todo o mundo

Pela primeira vez em mais de 50 anos, um país da América Latina será sede da maior competição de educação profissional do mundo. Com isso, o movimento de valorização do ensino técnico passa a ter de fato caráter global. A avaliação foi apresentada pelo presidente da WorldSkills International, Simon Bartley, em entrevista coletiva para a imprensa estrangeira. A Worldskills ocorre entre 12 e 15 de agosto no Parque do Anhembi, em São Paulo.
A competição foi trazida para o Brasil pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), instituição ligada à Confederação Nacional da Indústria (CNI), e é realizada a cada dois anos. Durante quatro dias de provas, jovens profissionais de todo o mundo simularão tarefas cotidianas do trabalho nas indústria e em algumas ocupações do comércio. Os 1,2 mil competidores, de 62 países, terão suas habilidades técnicas e comportamentais avaliadas e os melhores resultados estabelecem os níveis de excelência de cada uma profissão.
Bartley destacou também que ainda há um longo caminho a percorrer para aumentar o número de jovens que fazem educação profissional, mas a entidade que organiza a competição afirma que os esforços estão no rumo correto. “Essa [a 43a. edição] terá o nível técnico mais elevado da história”, avalia.
LEGADO - Presente à coletiva de recepção dos jornalistas estrangeiros, o diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi, lembrou do impacto que a realização das provas têm tido nos países-sede. Sobre isso, ele usou como exemplo a Finlândia, sede em 2005. “A movimentação no país naquele período ampliou o interesse dos jovens e, hoje, 70% deles cursam, ao mesmo tempo, educação básica e ensino técnico”, revela. Mesmo com aumento de 88% no número de matrículas no ensino profissional entre 2008 e 2014, esse mesmo índice no Brasil atingiu – de acordo com ele – 8,4%.
Para Lucchesi, representante brasileiro na WorldSkills International, as mudanças inovativas que ocorrem nos processos industriais de todo o mundo colocam novos desafios para o tema da formação de profissionais. “A WorldSkills no Brasil vai construir pontes entre os interesses da juventude e a geração dos empregos que surgem a partir deste novo momento da manufatura”, afirma.
A WORLDSKILLS – De 12 a 15 de agosto, 1.200 jovens de 62 países disputam o título de melhor profissional do mundo em 50 ocupações da indústria e do setor de serviços, como mecatrônica, robótica, manutenção de aeronaves, marcenaria, design gráfico, joalheria, panificação e outras. O evento é realizado pelo Serviço Nacional da Indústria (SENAI) e pela Confederação Nacional da Indústria. A equipe brasileira é formada por 50 alunos formados no SENAI e seis no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). Essa é a maior delegação já reunida pelo país para a competição internacional.
VISITAÇÃO GRATUITA – A entrada é de graça. No dia 12 de agosto (quarta-feira), a visitação vai das 10h às 17h. Nos dias 13 e 14 (quinta e sexta-feira), das 9h às 17h. No dia 15 (sábado), das 9h às 16h. Ônibus gratuitos saem de hora em hora em frente ao Arquivo Público de São Paulo, perto da estação Tietê do metrô. A volta para o local de partida também sai de hora em hora.