Publicidade


Crédito e legislação ambiental são temas da reunião da Diretoria da FIERN



A reunião mensal da Diretoria da Federação das Indústrias realizada nesta sexta-feira, 01, na Casa da Indústria, contou com uma apresentação sobre o Cartão FNE, feita pelo superintendente do Banco do Nordeste no Rio Grande do Norte, José Mendes Batista, e uma exposição sobre “Fiscalização ambiental e a responsabilização da empresa e de seus sócios-administradores”, conduzida pelos advogados João Cordeiro Lima e Pedro Cordeiro Lima, dos escritórios Cordeiro Lima Advogado e Nascimento & Mourão Advogados, respectivamente. Além disso, o assessor da FIERN, Ricardo Rosado, apresentou pesquisa de opinião pública feita pela empresa Consult sobre o estado e o país.
Antes de iniciar sua apresentação, o superintendente do Banco do Nordeste parabenizou o presidente do Sistema FIERN, Amaro Sales de Araújo, por sua indicação para presidir a Associação de Federações de Indústrias do Nordeste. Ele disse que um dos desafios da Associação será dar unicidade ao trabalho das federações, unificando forças para se fazer ouvida. José Mendes também destacou a parceria com a FIERN, através do IEL, para divulgar o que o banco pode fazer pelas indústrias do estado.
O superintendente do BNB também apresentou alguns números expressivos acerca da força da instituição. Com R$ 100 bilhões de ativos, o banco é o maior da América Latina voltado para o desenvolvimento regional. José Mendes também divulgou alguns dados sobre a presença do banco no ano passado no estado. Em 2015, por exemplo, foram destinados R$ 266 milhões em financiamento para as microempresas, o que resultou em 10 mil operações de crédito. O volume total de crédito para o RN atingiu no ano passado R$ 1 bilhão e 524 milhões.
Após fazer um curto balanço das ações em 2015, José Mendes falou do Cartão FNE, que foi criado para facilitar a aquisição de bens e insumos financiados com o Fundo Constitucional de Financiamentos do Nordeste - FNE. O Cartão oferece prazo de pagamento em até 72 meses, com prestações fixas e iguais; parcela do FNE no financiamento isenta de IOF; bônus de adimplência de 15% (sobre os recursos do FNE).
O presidente Amaro Sales ressaltou a importância de aproximar o banco dos empresários industriais e com isso buscar o desenvolvimento do Nordeste. “Precisamos juntar forças por nossa região”, disse. Ele elogiou a criação do Cartão FNE. “Trata-se de um produto novo que poderá contribuir muito com o setor industrial, sobretudo nesse momento de dificuldades porque passa o país”.
O objetivo da palestra dos advogados sobre a “Fiscalização ambiental e a responsabilização da empresa e de seus sócios-administradores” foi alertar os industriais sobre a legislação do setor, que eles consideram a mais dura do mundo. Após a apresentação, os industriais presentes puderam tirar dúvidas e foram esclarecidos sobre diversos aspectos da legislação brasileira.