Publicidade


IEL-RN discute com o Sindicato de Laticínios criação de APL




A superintendente do IEL-RN, Maria Angélica, e o Gerente de Educação Empresarial, Guido Salvi, se reuniram nesta sexta-feira, 15, na Casa da Indústria, com o presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados do Estado do Rio Grande do Norte – SINDLEITE/RN, Dalton Cunha Filho, e associados da entidade, para uma primeira reunião sobre a criação de um APL (Arranjo Produtivo Local) para o setor.
Arranjos produtivos são aglomerações de empresas localizadas em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva e mantêm algum vínculo de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si e com outros atores locais tais como governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa.
A atuação do IEL/RN junto aos Arranjos Produtivos Locais (APLs) se dá por meio da coordenação estadual do Procompi – Programa de Apoio a Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. Este Programa é uma parceria entre a Confederação Nacional da Indústria – CNI e o Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE que tem como objetivo promover o fortalecimento das Micro e Pequenas Indústrias em seu território, por meio do estímulo à priorização e à implementação de ações coletivas.
O Programa apóia projetos formulados pelas Federações Estaduais de Indústrias, com a participação do IEL, em parceria com os SEBRAE´s estaduais, empresas e sindicatos industriais, por meio da realização de atividades como:
• Articulação das empresas industriais com as Federações e os SEBRAE´s estaduais, sindicatos industriais, governos, órgãos de financiamento, empresas de grande porte, entre outros;
• Desenvolvimento de lideranças locais, disseminação da cultura de cooperação na busca de soluções comuns e elevação do capital social;
• Realização de diagnósticos, planejamento estratégico e estabelecimento de prioridades;
• Implementação de programas de capacitação empresarial: qualidade, custos, absorção de novas tecnologias, gestão ambiental, entre outros;
• Inserção mais efetiva de produtos no mercado nacional e internacional: participação em feiras, elaboração de material de divulgação, registro de marcas, criação de sites, cerificação de qualidade e desenvolvimento de design próprio.