Publicidade


Diretor da FIERN defende inovação industrial em Workshop sobre Cidades Inteligentes




O diretor da FIERN, Djalma Barbosa da Cunha Júnior, representou o Sistema FIERN no III Workshop sobre Cidades Inteligentes, realizado no Instituto Metrópole Digital  (IMD) nesta sexta-feira (18). Djalma foi um dos palestrantes do Painel “Ecossistema de Inovação de Natal e Região Metropolitana”, mediado por Álvaro de Oliveira, professor e pesquisador da UFRN & Aalto University (Finlândia).

Djalma defendeu o fortalecimento dos ecossistemas da inovação tecnológica no setor empresarial para o desenvolvimento da indústria potiguar e da economia do Estado. “Hoje 97% da base industrial do RN é de micro e pequenas empresas. O desafio é trazer o conhecimento e gerar um ambiente da inovação para essa indústria e mudar a mentalidade hoje existente do imediatismo, e trabalhar o investimento em resultados de longo prazo”, afirma.

Durante a palestra ele apresentou iniciativas e projetos de inovação ofertados no âmbito do Sistema FIERN aos empresários, como o Inova Global, Inova Talentos, Grand Prix de Inovação, Edital SESI SENAI de Inovação, MBA e o Prêmio Nacional de Inovação, entre outros, além de projetos futuros como a criação do Potipark, do ISI Energias Renováveis que devem ampliar a atuação a partir de 2017.

“Estamos trabalhando no sentido de atualizar, aproximar, promover o intercâmbio entre as lideranças empresariais de forma a inovar e aumentar a competitividade do seu negócios e desta forma, a indústria potiguar se prepara para poder acompanhar essa realidade das Cidades Inteligentes”, afirma.

A terceira edição do WCID 2016 reuniu pesquisadores, profissionais e gestores públicos e privados para discutir e compartilhar avanços tecnológicos, aplicações, estratégias de governança e soluções para as cidades, contemplando áreas como educação, saúde, segurança pública, transporte, energia, monitoramento ambiental, desenvolvimento sustentável.

O diretor do IMD, Ivonildo Rêgo, ressaltou que a tecnologia de informação é a estratégia para a inovação e o desenvolvimento econômico e social do Estado. E neste contexto, ele abordou o papel do Instituto com a palestra "Instituto Metrópole Digital: inovação, tecnologia e inclusão".

A fusão dessas tecnologias e a interação com os domínios físico, digital e biológico caracterizam a quarta revolução industrial e a torna diferente das anteriores, explica Ivonildo Rêgo, ao citar o uso de inteligência artificial, robótica, nanotecnologia, biotecnologia, impressão em 3D, internet das coisas e computação quântica nas diversas atividades econômicas, acadêmicas e até do cotidiano das pessoas. "Estamos caminhando para uma gigantesca alteração na forma em que nós vivemos, trabalhamos e nos relacionamos pelo uso dessas novas tecnologias", frisa o diretor do IMD.

Por videoconferência, José Augusto Almeida Mota destacou o case da empresa Lightenjin, em Águeda (Portugal), uma das primeiras da Europa em iluminação inteligente no conceito de cidades inteligentes. A empresa atua no desenvolvimento de sistemas eletrônicos em iluminação de LED para diversos segmentos, como hotelaria, varejo, escritório e eficiência energética. Mota enfatiza a chamada tríplice hélice (indústria, autarquia e sistema científico e tecnológico) que permite a interação para transferência de tecnologia e criar soluções mais inovadoras.

O diretor da Engineering Brasil, Marcos Aurélio Oliveira, também apresentou a atuação do grupo italiano com ampla experiência em criação e estruturação de redes inteligentes, com apoio técnico à empresas e governos, que integram as smart cities. "Tornar otimizado e integrado todos os sistemas educação, transportes, agricultura, construção inteligentes", afirma.